Kokeshi

Sou apaixonada por Kokeshi, aquelas bonequinhas japonesas de madeira, as quais você encontra facilmente em lojinhas da Liberdade. Normalmente essas são feitas em grande escala, mas dá para encontrar algumas tradicionais e artesanais. Foi visitando o blog Two Bee que conheci o trabalho da Becky do Sketch.ins. Ela cria lindas Kokeshi baseadas em personagens, artistas e pessoas famosas - e o mais divertido é que ela cria cenários divertidos para essas bonequinhas. Ela também faz outros trabalhos em madeira.




Mamãe, quero ser fitness!


Tudo começou no final do ano passado, quando passei por um momento não muito fácil de lidar e precisei tomar uma decisão na minha vida. Sou uma pessoa que afunda muito fácil na própria tristeza e se eu deixar me levar, me afogo. Então, a única forma de me deixar feliz é me fazendo esquecer o que me deixa triste e, para esquecer, eu preciso fazer e aprender coisas novas. Algo que eu estava querendo muito e estava procrastinando era entrar na academia (de novo) e dessa vez se dedicar para valer. Minha ideia inicial era ganhar massa, já que não tinha muito interesse em emagrecer e achava meus 61 kilos ok.
Por indicação de uma antiga professora minha, acabei me matriculando em uma academia que não é muito longe de casa, mas também não é perto. Um dos motivos da escolha era o fato de ter várias artes marciais em horários compatíveis com os meus. No começo, a identidade visual amarela do local era um pouco intimidador, principalmente porque todos que trabalham lá são super alto astral e eu sou uma pessoa das trevas. Demorou um pouco para eu me acostumar aos cumprimentos e diálogos calorosos. Teve até uma vez que o monitor, enquanto eu estava fazendo perna com minha cara de poucos amigos, pediu para eu sorrir. QUEM SORRI FAZENDO PERNA?

É, não.
Mas o que eu podia fazer sorrindo, não importando a dor são as artes marciais. Além do meu amado karatê, comecei a fazer jiu jitsu, taekwondo, krav maga, muay thai (e fazia uma atrás da outra sem direito a descanso de tanta empolgação). Meu condicionamento melhorou muito e minha força também. Meus amigos do karatê perceberam que meus socos e chutes ficaram mais fortes e doloridos, que meu alongamento melhorou e que estou dando mais trabalho. Foi muito bom perceber esse avanço porque, por mais que eu goste muito de lutar, eu não me saía tão bem quanto gostaria. Ainda há MUITO para melhorar, mas o que já consegui é realmente uma superação - afinal nunca fui uma pessoa com um bom controle corporal, ainda confundo direita e esquerda.
Eu sabia que além da musculação e das aulas de artes marciais, era necessário fazer uma dieta, começar a comer alimentos mais saudáveis, com pouca gordura, bastante proteína e blá blá blá, mas a preguiça era demais. Tudo mudou graças a um simples envelope branco: eu estava com pré-diabetes.
Minha mãe e meus avós são diabéticos, ou seja, eu já sabia que um dia poderia ter. Mas imaginava que fosse quando eu tivesse mais de 40/50 anos e não com 20 e poucos.


Sempre comi de tudo e gosto muito de alimentos naturais, mas também sempre comi muita besteira. Comia chocolate quase todos os dias e também me entupia de carboidratos. O resultado do exame me chocou tanto que no dia seguinte, decidi cortar tudo que fosse prejudicial a minha saúde: doces, pães, massas, refrigerante e tudo que há de bom. Fui no Mundo Verde mais perto de casa e comprei pão integral sem açúcar, chocolate sem açúcar (e sem lactose e glúten!), mix de castanhas, e outras coisas nessa vibe. 
E foi mais fácil do que pensava. Percebi que a necessidade extrema de chocolate que eu tinha, não era tão extrema assim. Percebi que o preço de um Doritos é quase o mesmo de um salgadinho orgânico e que o chocolate sem açúcar - realmente saudável, não aqueles diet ruins - tinha o mesmo preço de um com. Percebi que frutas ajudam você a ter menos necessidade de comer besteiras - sempre vi sites falando sobre isso, mas não acreditava. Mesmo assim, ainda como de vez enquanto um doce ou algo mais gorduroso. Se saio com meus amigos e eles vão a uma pizzaria ou hamburgueria, eu peço a mesma coisa que eles e como sem culpa porque sei que durante a semana fui um pouco mais regrada.
Juntando a dieta mais as 4 horas que fico na academia (é), em três meses perdi 6 kg. Cheguei a 55 kg, mas acabei ganhando mais 2 kg de massa magra, então fechei com 57 kg.



No começo, não gostei de ter emagrecido tanto porque perdi bunda e peito. Mas fiquei tão feliz de ver que perdi aquela pochetinha da barriga, que minha cintura ficou mais realçada e minhas bochechas diminuíram, que nem me importei com o que perdi. O próximo objetivo é ganhar um pouco mais de massa - que está sendo o mais difícil. Haja paciência.

Quem sabe um dia, né
PS: Ainda vou fazer um post falando sobre as artes marciais que pratico. Poderia ficar falando sobre isso o dia inteiro de tanto amor.

Kotoba no Haoto Cafe

Créditos: Poco Photos
Entre os Machiya (町屋/町家) - casas tradicionais de madeira encontradas comumente em Kyoto, Japão -, há um peculiar café que se destaca dos outros por causa de um prato um tanto inusitado e tão bonitinho que você sente dó de comer: o parfait de gato.

Créditos: Poco Photos
O Kotoba no Haoto (ことばのはおと - O Zumbido das Palavras), possui uma grande quantidade de livros, os quais os clientes podem ler enquanto fazem suas refeições. Dentro, os clientes sentam naquelas mesinhas baixas com tatame e a casa possui 150 anos!


Os Parfait de gato são feitos a partir das 13h e são servidos apenas 15 por dia, sendo um diferente do outro para surpreender o cliente. Alguns são temáticos, como o de Natal, e as frutas utilizadas mudam de acordo com a estação. O preço é por volta de 1,200 yen (R$42,50).



Dá muita vontade de provar, mas acho que não conseguiria de tão bonitinho!

Kotoba no Haoto
Endereço: Kyoto-fu, Kyoto-shi, Kamigyo-ku, Aburanokojidori Shimochojamachi Sagaru Daikokuya-cho 34
Horário de funcionamento: 11:30 a.m. – 7:30 p.m. (Fechado as segundas-feiras e quintas-feiras)

Créditos: Rocket News 24

Minha rinoplastia



Fico muito feliz em saber que o movimento feminista na internet está investindo no empoderamento das mulheres e o apoio a beleza natural. Como feminista, acho super importante estar feliz consigo mesmo e ter uma boa autoestima. Mas, se tem algo que me incomodava desde o começo da minha adolescência era o meu nariz. Eu passava horas na frente do espelho me imaginando com um nariz que não tivesse aquele maldito nózinho. Talvez fosse a influência da mídia e os filmes da Charlize Theron (acho o nariz dela maravilhoso desde o Grande Joe, um dos meus filmes favoritos de infância), mas tinha um motivo muito maior: eu adorava traços japoneses. Achava o nariz japonês delicado sem a giba (a parte de cima do nariz onde normalmente ficam os nós) e queria muito ter um assim. Eu estava seguindo um padrão de qualquer forma.

O tal Nózinho surgiu quando eu tinha uns 13 anos - herança de meu pai - e foi o inferno na minha vida durante a época do Orkut e começo de selfies. Não conseguia tirar fotos de lado. E foram 7 anos reclamando do meu nariz até que meus pais e meu avô decidiram ceder ao meu pedido desesperado de fazer uma rinoplastia. E é aqui que começa minha saga.

As fotos acima mostram o antes. Eu odiava o meu nariz de lado, de perfil. De frente, nem tanto, apesar de ter alguns momentos que também me incomodava um pouco. 





É a coisa mais importante. Se você vai mexer no seu rosto, é óbvio que você deve escolher um médico adequado. Eu queria um nariz natural, que combinasse com o meu rosto. Nada de nariz muito arrebitado ou fino demais e acabei achando o médico perfeito. Uma amiga de uma amiga minha, que tem um blog, acabou fazendo um post sobre rinoplastia, explicando como foi o procedimento. Quando vi o resultado dela, sabia que teria que ser com o mesmo cirurgião! Depois de conversarmos, marquei uma consulta com o Dr. Wiliam Saliba Junior, que atende em Santo André e São Bernardo dos Campos. O Dr. Saliba disse realmente o que eu já sabia sobre o meu nariz: precisaria tirar a giba, fazer uma curva e arrebitar levemente meu nariz porque quando sorria, a ponta abaixava.

Boias maneiras

Foto maravilhosa do Le Blog de Betty

Talvez seja meio tarde para fazer um post desses, afinal os feriados acabaram e logo o verão também vai embora - apesar de que ainda há os fins de semanas. Mas se há algo que eu estava querendo muito era aquela boia de Donut. Existe coisa mais bonitinha e colorida do que ficar boiando em um donut cor de rosa no azul da piscina?
Zapeando pelo instagram de algumas blogueiras internacionais, percebi que não era só a boia de donut que estava fazendo sucesso não. Há uma infinidade de comidas divertidas.


Acabei descobrindo essa boias na Urban Outfitters. Eles possuem uma linha de boias bem variadas e divertidas que vão além dessas que coloquei acima. A única loja brasileira que vende uma boia donut rosa que consegui achar é a Imaginarium. Espero que essa moda pegue por aqui e outras lojas disponibilizem mais versões dessas. Enquanto isso, vou ficar na vontade e pensando se no próximo verão consigo uma boia dessas.

Vou me contentar com colchões infláveis sem-graças